Feira 2.0 - Luciano Rêgo
 Em Blog

Moro em Águas Claras, Distrito Federal. Uma cidade nova que surgiu há pouco mais de 12 anos. A cada dia parece que “sobe” um novo prédio, numa profusão de construções modernas. Ao lado de uma estação de metro, luta pela sobrevivência, algo que remonta a idade média: Uma feira, a feira de Águas Claras. Funciona nos sábados e domingos, num esforço dos feirantes em vender suas mercadorias, oferecendo produtos que vão desde orgânicos a pastéis fritos na hora.

Frequento esta feira desde que vim morar aqui há quatro anos. Acabei fazendo amizade com várias pessoas: O Mário, da Peixe Vivo, especializado em frutos do mar e o César com seus produtos orgânicos, além de Oliveira com seus queijos. Este último, um dos coordenadores da feira.

O processo de venda é o tradicional. O cliente vem a feira, escolhe, compra e vai para casa, mas diferente de um supermercado a negociação é com pessoa a pessoa. Isto proporciona um contato que inexiste em outros segmentos. Podemos conversar, interagir, relacionarmos enfim. Isto em um mundo atribulado, é um resgate para os que tiveram isto na infância.

VENDAS MODERNAS X CLIMA X OPORTUNIDADES

Uma coisa é diferente das feiras de nossa infância. No meu caso, a tradicional feira de Caruaru em Pernambuco. Hoje pode-se encomendar por telefone o que se quer e apenas ir a feira buscar. Outro dia conversava na feira sobre fazermos o site deles. A idéia é boa, mas temos de ter também uma central (atendente) para pegar as demandas por telefone. Vantagem disto? Imagine um domingo chuvoso como o do final de semana passado. Em vez de ficar a espera dos clientes, os feirantes poderiam dispor do cadastro e ligar, fazendo marketing selvagem e ativo. Ou mesmo operacionalizar as vendas encomendadas durante a semana. Eles podem sair da atitude passiva para a ativa: Ir atrás do cliente.É só querer.

cesar” Dona Maricota, estou ligando, pois toda semana a senhora compra estas xxxx mercadorias, hoje teremos uma entrega especial devido a chuva. O que a senhora vai querer?”. Em vez de lamentar a chuva, corre-se atrás da venda!

PESQUISA

Conversei com várias pessoas hoje e todas foram unânimes em afirmar que usariam a internet para suas encomendas (imagino que após período de “aprendizado”). Perde-se os aromas inconfundíveis que uma feira proporciona, além das outras sensações dos cinco sentidos e que por vezes nos remetem a viagens pela nossa memória, pela nossa infância, mas dão a comodidade que o cliente moderno precisa e que o comerciante não pode desprezar.

Bom! Que venha a Feira 2.0 de Águas Claras!

Por Luciano Rêgo, PMP, MBA Marketing e Engenheiro agrônomo

Comentários
Posts Recentes
Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text.

Start typing and press Enter to search